Experiências

Sobre se perdoar

Para algumas pessoas o perdão é um exercício difícil. Mas me arrisco a dizer que o auto perdão é mais difícil ainda. Bom, pelo menos pra mim, confesso.

Passei boa parte da minha vida me exigindo acertar sempre, em tudo. O peso dessa tarefa mina as possibilidades até do mais promissor ser humano da Terra.

Ao estar diante de algo que fiz de errado, a punição vinha como uma flecha, de mim para mim mesma.

Mas o que de bom essa exigência de perfeição tem a oferecer? Um cuidado maior para não errar? Uma tendência a aumentar as possibilidades de acerto?

Nem um, nem outro.

Ao calcular meticulosamente cada passo, guiados pelo medo do erro, estamos fadados ao fracasso em qualquer coisa que a gente tente. A possibilidade do erro nasce com a gente e nos acompanha a vida toda, mesmo quando adquirimos muita experiência de vida.

Essa cobrança excessiva nos torna surdos para ouvir nosso próprio coração, nossas próprias ideias e vontades… Aquelas, que estão lá no fundo, enterradas nos escombros dos sonhos guardados à espera da “oportunidade matematicamente perfeita” de serem tirados do “papel”.

Enquanto isso, perdemos sem perceber a oportunidade de levar a vida de maneira leve do único jeito que ela é possível: imperfeita. Além disso, enxergamos as perdas ao longo do caminho como uma sentença eterna de infelicidade e fracasso.

Mas se assim como eu, você demorou para enxergar isso, entenda:

Em cada uma das etapas da nossa vida, fazemos o melhor possível naquele momento. Não tem cabimento se exigir ter agido antes com os conhecimentos e aprendizados que você só tem agora. Você não tinha como fazer isso sem saber que era o melhor naquela ocasião.

Então por que se cobrar tanto?

Não se perdoar só te ajudará a repetir sempre os mesmos erros, por causar um pânico que te privará de tudo que você pode experimentar na vida, e nisso, você constantemente perderá mais e mais oportunidades maravilhosas.

É verdade que você não pode voltar onde errou e consertar tudo do zero, ao menos na esmagadora maioria dos casos.

Mesmo assim, se perdoar fará com que você se liberte das amarras da sobre-humana “proibição” do erro, e finalmente te abrirá para a possibilidade de acertar. Porque na verdade, é aí que a gente acerta. Acertar não é fazer tudo correto. Acertar é simplesmente não se impedir de tentar.

Se algum dia na vida você não pôde fazer o que hoje acredita que teria sido o melhor, faça o melhor que você pode AGORA!

O fato de ter errado antes não te impedirá de acertar um dia, mas manter sobre si uma condenação incessante e aumentar ainda mais o medo de errar, isso sim te impedirá.

Não se martirize. Não roube de si a própria vida. Não roube de si a possibilidade de acertar.

Você vai perder com isso?
Bom, perder é inevitável.
Mas se perdoar e ter coragem de continuar a jornada da melhor maneira possível é a única forma de realmente ganhar.